10 março 2008

"Até onde a vista alcança" será lançado no Dia da Consciência Negra

"Até onde a vista alcança" será lançado no Dia da Consciência Negra

Na próxima terça(20/11/2007), dia da consciência negra, será lançado às 18h na Escola Municipal Manoel Bandeira da Comunidade Quilombola do Sambaquim e Riachão do Sambaquim, na zona rural de Panelas-PE, o documentário curta-metragem “Até onde a vista alcança”, uma realização da Asterisco, dirigido e produzido por Felipe Peres Calheiros, patrocinado pelo Banco do Nordeste, através do Programa BNB de Cultura 2007 e co-produzido pela REC Produtores Associados. O filme também será reexibido na quarta-feira(21), no mesmo horário, na Escola Estadual Gregório Bezerra, na zona urbana daquele município.

A Comunidade Quilombola do Sambaquim e Riachão do Sambaquim localiza-se na zona rural do município pernambucano de Panelas, a 201 km do Recife. Descendentes de uma população negra originária do extinto quilombo de Palmares, as famílias do Sambaquim nunca tiveram o registro de suas terras, as quais foram tomadas por fazendeiros da região, que as “compraram” em cartórios, na primeira metade do século XX. Aqueles que resistiram ao êxodo e à falta de terra e renda, ainda hoje, guardam oralmente a história de luta de seu povo, dançando, cantando e improvisando Mazurcas e Cirandas, manifestações culturais características da localidade.

A realização do curta - Em 2005, a partir de uma reunião dos membros da Associação Quilombola do Sambaquim e Riachão do Sambaquim, surgiu a idéia de organizar um bingo, com o objetivo de arrecadar recursos para alugar um ônibus e levar pessoas de diversas idades que – apesar de morar a apenas 150 km da costa – ainda não conheciam o mar.

“Naquela época, eu era reconhecido como fotógrafo pelas comunidades quilombolas e, nesse sentido, me convidaram para fotografar aquela história. Foi então que lhes respondi: mas isso não é uma cobertura fotográfica, isso é um filme!”, diz Felipe.

Com uma equipe voluntária e recursos próprios, realizou-se toda a etapa de produção, cobrindo o bingo, gravando cenas da cultura e do cotidiano da comunidade, e entrevistando pessoas sobre a possibilidade de conhecer o mar. Nascia então o documentário “Até onde a vista alcança”.

Finalmente, em 13/05/2006 (coincidência ou não: o dia de aniversário da abolição), com os recursos arrecadados no bingo e alguma ajuda da prefeitura local, um ônibus levou 46 pessoas da Comunidade Quilombola à praia de Barra Grande, em Alagoas, para encontrarem pela primeira vez o oceano.

“Nesses meses entre o bingo e a realização da viagem, percebemos que se tratava de um filme sobre algo comum a todos nós, a realização de um sonho. E a linguagem que utilizaríamos no instante da concretização de um sonho tão nobre como aquele não poderia simplesmente registrar o real, precisava transmitir o sonho ao espectador. Foi daí que surgiu a idéia da fotografia preto e branco em película”.

O próprio diretor Felipe Peres Calheiros e Mateus Sá (Canal 03) fotografaram em preto e branco toda a viagem entre Panelas e Barra Grande, e o extasiante encontro com o mar. As fotografias contrastam com a imagem em vídeo digital, e oferecem ao espectador a passagem a um outro mundo em duas cores, um mundo de sonho, do sonho de quem esteve no oceano pela primeira vez.

A pós-produção do curta – Selecionado pelo Programa BNB de Cultura 2007, o documentário recebeu recursos para sua edição e finalização, realizada entre março e novembro de 2007, com o apoio da equipe da REC produtores associados e dos Estúdios Mombitaba do Brasil.

A montagem do filme, realizada por Paulo Sano e Rafael Travassos, foge ao padrão de uma construção mais tradicional e cronológica dos fatos. O filme se desenvolve entrecortado por projeções fotográficas em preto e branco de fotos tiradas dentro do ônibus durante a viagem, que quebram o ritmo da narrativa, de forma a sugerir ao espectador a idéia de uma viagem que só se revelará por completo no fim do curta-metragem.

O documentário conta com legendas para 3 línguas e pretende circular em Festivais Nacionais e Internacionais de Cinema. Será lançado em Recife apenas em 2008.

“Até Onde a Vista Alcança” é assinado pela Asterisco, um coletivo formado por Evandro Dunoyer, Felipe Peres Calheiros, Paulo Sano, Rafael Travassos e Sérgio Santos, que se conheceram no Curso de Comunicação - Radialismo e TV da UFPE, e desde 2006 produzem audiovisual juntos.

Sobre as Comunidades Quilombolas

Comunidades Quilombolas são grupos sociais predominantemente rurais formados em parte ou totalmente por descendentes de negros que escaparam da escravidão, para viver e resistir unidos, desde os tempos do Brasil Colônia. Existem hoje 1.137 comunidades dessa natureza reconhecidas governo brasileiro. Quase a totalidade delas localiza-se distante da vida urbana, em situação de extrema miséria e deficiência alimentar, sem terras para produzir, subempregadas e discriminadas pelas classes dominantes.

Apesar da luta do movimento quilombola e da garantia constitucional de reconhecimento do território quilombola, o governo não concluiu o processo de regularização fundiária de nenhuma comunidade pernambucana. Todas ainda lutam pela devolução de suas terras, em sua maioria griladas e tomadas no começo do século XX.


Mais Informações: Felipe Calheiros, (81)9959-8066 coletivoasterisco@gmail.com

Ficha técnica

direção, direção de fotografia e roteiro
FELIPE PERES CALHEIROS

assistente de direção
GIORGE PATRICK BESSONI

pesquisa
JEIDE NOGUEIRA
HELTON SILVA
RONALDO MOURA

colaboraram com o roteiro
EVANDRO DUNOYER
SÉRGIO SANTOS

fotografias em preto e branco
FELIPE PERES CALHEIROS
MATEUS SÁ

scaneamento e tratamento fotográfico
ROBSON LEMOS

montagem
PAULO SANO
RAFAEL TRAVASSOS

colaboraram com a montagem
JOÃO MARIA
MATEUS SÁ

finalização
MARIANA VALENÇA

assistente de finalização
ROBERT CHRISTIAN

arte final
PAULO SANO

produção executiva
FELIPE PERES CALHEIROS

produtores associados
MATEUS SÁ
REC PRODUTORES ASSOCIADOS

assistentes de produção
GIORGE PATRICK BESSONI
RONALDO MOURA
HELTON SILVA

versão em espanhol
CONCHITA SALAZAR
REGINA FRANÇA
ROBERTA LEITE

versão em inglês
EVANDRO DUNOYER

versão em francês
MAÍRA PONTES

trilha sonora incidental - “Ô Iaiá, Ô Iaiá”
MAZURCA DA COMUNIDADE QUILOMBOLA DO SAMBAQUIM E RIACHÃO DO SAMBAQUIM

trilha sonora original - “Ouro Negro”
JOHAN BREHMER

Um comentário:

Anônimo disse...

Inscreva-se no www.cinepel.com.br/festival

VOCE VAI FAZER DE TUDO PARA PARTICIPAR DESTE FESTIVAL NACIONAL DE CINEMA...

- SÃO 19 (DEZENOVE) DIAS DE EXIBIÇÃO DE FILMES;
- TODOS OS FILMES INSCRITOS SERÃO EXIBIDOS NO FESTIVAL;
- TODOS OS FILMES RECEBERÃO "DIAGNÓSTICO" DA NOSSA COMISSÃO JULGADORA;
- POSSIBILIDADE DE EXIBIR + DE 480 CURTAS;
- SALA DE EXIBIÇÃO COM CAPACIDADE PARA 300 PESSOAS; + EXIBIÇÃO ON-LINE;
- INSCRIÇÃO GRATUÍTA;
- EVENTO PARTICIPANTE DA FENADOCE, FEIRA JÁ CONSAGRADA NACIONALMENTE,
COM PÚBLICO MÉDIO DE 350 MIL VISITANTES; (DE 03 À 21 DE JUNHO 2009)
- SÃO 13 CATEGORIAS DE PREMIAÇÃO;
- OS 13 FILMES VENCEDORES FARÃO PARTE DE UM DVD DISTRIBUÍDO NACIONALMENTE;

NÃO PERCA TEMPO, INSCREVA SEU CURTA AGORA, GARANTINDO A EXIBIÇÃO NO FESTIVAL !

INSCRIÇÃO E MAIS DETALHES, ACESSE: www.cinepel.com.br/festival

1° CINE GRANDES CURTAS
FESTIVAL NACIONAL DE CINEMA DA CIDADE DE PELOTAS
NA FENADOCE 2009
"A DOCE ARTE DO CINEMA"

INFORME:
CINEPEL - ASSOCIAÇÃO PELOTENSE DO CINEMA INDEPENDENTE
PELOTAS / R.G DO SUL
FONE: (53) 3228.9339